Muitas seleções estão usando a Liga das Nações como preparação para os Jogos Olímpicos de Paris 2024, que começam em dois meses. A seleção brasileira feminina de vôlei também testa suas peças de olho no megaevento da capital francesa, mas tem um objetivo maior: quer ser campeã do VNL e conquistar um título inédito após acertar a trave durante a rodada.




BRA PODE VNL (FIVB)

Foto: Olimpíadas todos os dias / Olimpíadas todos os dias

Estamos aqui para vencer a VNL. Todo mundo está falando sobre as Olimpíadas deste ano, mas um passo de cada vez. Não participamos apenas e não pensamos em regulamento de grupo nem nada, viemos para vencer”, disse a levantadora Roberta, logo após a estreia do Brasil no VNL contra o Canadá.

Problemas seguidos

A Liga das Nações é uma competição de seleções que se realiza anualmente desde 2018 (não foi realizada em 2020 devido à pandemia de Covid-19). O VNL substituiu o extinto Grande Prêmio, disputado entre 1993 e 2017. O Brasil é o maior campeão de Grandes Prêmios, com 12 títulos, mas ainda não conquistou a Liga das Nações de Vôlei Feminino.

Nas cinco edições da VNL já realizadas, a equipe comandada por Zé Roberto foi vice-campeã em três (2019, 2021 e 2022), na semifinal em 2018 e nas quartas de final no ano passado. Além disso, a equipe também ficou em segundo lugar nas Olimpíadas de Tóquio em 2020 e na Copa do Mundo de 2022.

“Queremos jogos que nos preparem, que nos tirem da nossa zona de conforto e que realmente nos desafiem. Sim, usamos o VNL como preparação para os Jogos Olímpicos, mas queremos vencer o torneio. Queremos vencer a grande competição porque batemos várias vezes na trave nesse ciclo”, disse a capitã Gabi.

Primeira semana no Maracanazinho

Depois da vitória por 3 a 1 sobre o Canadá na noite da última terça-feira, o Brasil retorna à Liga dos Campeões nesta quinta-feira (16), às 14h, contra a Coreia do Sul, todos os jogos desta semana no Maracanazinho, no Rio de Janeiro. . A equipe enfrentará EUA e Sérvia na primeira fase.

Fonte