Para VAR ou não? Essa é a questão.

Como Atlético Os clubes da Premier League votarão em sua assembleia geral anual no próximo mês sobre uma proposta para eliminar o sistema de árbitro assistente de vídeo (VAR) a partir do início da temporada 2024-25, foi revelado na quarta-feira.

O VAR foi introduzido na Premier League no início da temporada 2019-20. Desde então, houve muitas decisões controversas. O Wolverhampton Wanderers, um dos times mais atingidos pelas más decisões, agora fez a oferta.

Mas deveria o VAR ser abolido? Ou isso não resolve o problema dos árbitros da liga principal? Aqui, Atlético Steve Madeley e Amitay Winehouse apresentaram argumentos a favor e contra o sistema.


Arbitragem de vídeo e seu impacto na Premier League nesta temporada…


O caso contra o VAR

Crédito onde é devido, Molineux finalmente testemunhou um exemplo de sistema VAR que deveria funcionar.

A derrota do Wolves por 3 a 1 sobre o Crystal Palace no sábado viu dois casos em que os árbitros corrigiram erros no Stokely Park – o gol de Mateusz Cunha foi marcado após ter sido erroneamente considerado impedido e o pênalti de Cunha foi corretamente convertido em cobrança de falta. a Caixa

Dois exemplos perfeitos de tecnologia ajudando autoridades na área.

No entanto, realmente não é – e nunca deveríamos acreditar que fosse. No longo debate que precedeu a introdução do VAR, os seus apoiantes disseram-nos repetidamente que a precisão de uma maior proporção de decisões era “a coisa mais importante”.


Uma bandeira anti-VAR em Molineux (Justin Tallis/AFP via Getty Images)

Nunca foi. E isso nunca acontecerá.

É importante, claro. Ninguém interessado em futebol pode argumentar seriamente que aumentar a precisão na tomada de decisões é uma coisa ruim – mas o que é mais importante? Sem chance.

O mais importante para os administradores de futebol deve ser sempre a experiência do dia de jogo para os torcedores dentro dos estádios e para os espectadores que assistem pela TV. A alegria de comemorar um gol com milhares de estranhos unidos no amor compartilhado por um time de futebol é o motivo pelo qual as pessoas pagam para assistir a um jogo, seja nas catracas ou pela TV por assinatura.

Ninguém jamais ameaçou boicotar um jogo, a menos que uma decisão de pênalti no segundo tempo fosse analisada em cinco minutos por um oficial a centenas de quilômetros de distância, enquanto os torcedores no campo ficavam sentados no frio, sem informações. Atrasos intermináveis ​​e falta de comunicação podem facilmente afastar os fãs. O VAR elimina a espontaneidade e a alegria da experiência do espectador.

Ele substitui o drama quente pela análise forense fria e esfria a emoção que impede os fãs de retornar. É, para citar um fã dos Wolves, “chato” – mas não é um problema exclusivo dos Wolves. Nos últimos 18 meses, os Wolves sofreram mais do que a maioria com intervenções desconcertantes do VAR, mas pode ser outra pessoa na próxima temporada.

E, compreensivelmente, aqueles que se preocupam com os Wolves – torcedores, treinadores, jogadores e até nós, jornalistas – têm sido culpados de trazer à tona algumas injustiças. Não há a menor evidência para apoiar as teorias da conspiração (“eles não querem que os Lobos ganhem”) de alguns fãs. Nem toda decisão contra o clube é uma choradeira.

Alguns apelos, como o ataque impune a Sasa Kalajic no Manchester United e Wolves em agosto, ou a humilhante barcaça de Nick Pope sobre Raul Jimenez no St James’ Park na temporada passada, são “fedorentos” inexplicáveis.

Outros – como o pênalti contra Ryan Ait-Nouri no Manchester City este mês – são puramente subjetivos. Algumas – como Tawanda Chirewa, que foi penalizado por impedimento nos momentos finais da derrota para o West Ham – são decisões perfeitamente justificadas.

Mas esse não é o ponto. Se o VAR estiver estável, provavelmente irá melhorar. A prática irá melhorar e à medida que os árbitros se habituarem ao processo VAR, a proporção de decisões chocantes deverá diminuir.

Mas não existe uma versão afinada e afinada do VAR que possa restaurar os momentos emocionais que esta versão insatisfatória tirou.

E esses momentos são mil vezes mais valiosos do que corrigir alguns erros.

Steve Madley


O caso do VAR

As pessoas costumam falar sobre “belo privilégio”. É a ideia de que, se você for atraente, será considerado mais inteligente e engraçado e terá uma enorme vantagem no que diz respeito ao trabalho. E o maior problema é que quem faz isso nem tem consciência dos seus benefícios.

Bem, deixe-me dizer-lhe que as pessoas que pensam que você deveria se livrar dos árbitros assistentes de vídeo estão usando sua própria forma de privilégio. Como um belo privilégio, quem se sente atraído por ele não sabe a sorte que tem.

Essa forma de privilégio? Franquia da Premier League.


Michael Oliver aguarda informações do VAR (Clive Rose/Getty Images)

Existe a crença de que se você abandonar o sistema VAR, melhorará o futebol da Premier League. É fácil imaginar esse cenário em um mundo onde Howard Webb, Martin Atkinson e Michael Oliver correram em campo, cobraram pênaltis onde foram marcados e não erraram.

Mas deixe-me contar sobre a vida na Liga Inglesa de Futebol (EFL). Na EFL, você pode ver um zagueiro fazer contato preciso com o ombro de um atacante na área e errar completamente a bola, e o árbitro acena com as mãos e diz: “Não, nada para mim”.

Você pode assistir um jogador impedido recuar, colocar a bola na rede e depois olhar para o assistente, esperando a bandeira subir, apenas para ele fazer isso e dar um giro espetacular para voltar ao meio-campo com indiferença. o mundo

Você pode, como um torcedor do Blackburn me disse, assistir a uma bola de handebol negar a você uma vaga nos play-offs e perceber como é inútil gritar para o sol.

E você pode aproveitar todos esses momentos enquanto assiste a replays que mostram o quão ruim foi a decisão, sabendo que uma simples conversa pode mudar o momento decisivo de uma temporada, e ainda assim sabendo que, na realidade, estamos presos a ela. Desculpe. É assim que funciona aqui.

Claro, com o VAR, você tem que esperar dois minutos angustiantes para que as linhas sejam traçadas. Ou, às vezes, a decisão em campo não é anulada porque é 50/50, e sim, é assim que funciona. Poucos erros são cometidos tão impensáveis ​​como o do Liverpool contra o Tottenham Hotspur nesta temporada.

Deeper

Mas isso fala da maldade das pessoas que estão no controle, e não do sistema em si. Afinal, por que as pessoas que são tão boas em correr pelo campo e detectar faltas são encarregadas de fazer a mesma coisa no escritório, na tela?


Problemas em Leeds x Norwich (Stephen Pond/Getty Images)

O truque é realmente trabalhar com funcionários específicos do VAR. Estamos falando das Leis do Jogo que aceitam um rato e ficam felizes em sentar-se no camarote do Stokely Park, longe da gritaria.

Porque a verdade é que, como você deve ter percebido, o privilégio de arbitrar na Premier League está morrendo. Sabemos disso na EFL há anos – o estoque de arbitragem é terrível. Apenas os observadores da Premier League reclamam da última safra, mas, cara, estamos lidando com eles há anos. Cada vez que alguém é adicionado ao topo dos juízes, imagens de decisões terríveis passam pela minha mente.

Se você acha que se livrar do VAR vai resolver as coisas, você está errado – é a única coisa que vai salvar você e seu privilégio de enfrentar árbitros que em breve estarão na primeira divisão.

Amizade Winehouse

(Foto superior: Getty Images)

Fonte