Hammodi Ajumonbi, o presidente, ao executar a pena, disse que esta punição será uma lição para a sociedade e os responsáveis ​​​​pelo caso.

Esta foi a grave confusão que um tribunal regional de Ilorin sofreu recentemente depois de um juiz ter condenado uma mulher divorciada, Adenike Aliyu, a três semanas de serviço comunitário.

O tribunal condenou a mulher por confessar adultério, embora o casamento com o marido fosse legal.

O presidente, Hammodi Ajumonbi, ao executar a pena, disse que a punição será uma lição para a sociedade e os responsáveis ​​pelo caso.

“Não estou inclinado a demitir o réu dessa maneira.

“A demandada admitiu que foi engravidada por um certo Abdulaziz Asikolae para dar à luz outro filho enquanto o casamento entre ela e o peticionário ainda subsiste.

“O réu é condenado a três semanas de serviço comunitário, a partir de hoje”, disse o juiz.

Em 10 de fevereiro de 2023, o réu pediu divórcio, guarda e alimentos dos três filhos.

Ela disse ao tribunal que deu à luz três filhos para um tal Abdulfatai Ahmed, deixou-o em 2021 e depois deu à luz um quarto filho para outro homem.

O casamento terminou por consentimento mútuo, mas o ex-marido abriu outro processo em 27 de março de 2023 pela custódia dos quatro filhos que Adenike Aliyu lhe deu.

O ex-marido disse em tribunal que deu nome ao quarto filho.

“Depois que ela saiu da minha casa, ainda fizemos sexo.

“Tenho uma testemunha que atesta que o quarto filho é meu”, disse ele.

O ex-marido disse posteriormente em tribunal que, no interesse da justiça e dos filhos, desistiu da denúncia e concordou que os três filhos ficassem nas mãos da avó materna.

Fonte