Quinta-feira, 16 de maio de 2024 – 04h00 WIB

Líbano – Um comandante de campo do Hezbollah foi morto num ataque de drone israelense no sul do Líbano na noite de terça-feira, 14 de maio de 2024. Isto foi confirmado por Israel e pelo grupo libanês na quarta-feira, 15 de maio de 2024.

Leia também:

Acampando no campus, estudantes japoneses pedem ao chanceler que corte relações com Israel

Num comunicado, o grupo xiita que apoia o Irão lamentou Hossein Ibrahim Makki, que nasceu em 1969 e veio da aldeia de Bait Yahun, no sul.

VIVA Militar: O veículo do comandante do Hezbollah foi alvo de um ataque aéreo israelense

Leia também:

Após a paralisação, os EUA enviarão mais ajuda militar a Israel no valor de IDR 16 trilhões

O grupo não especificou o seu papel no Hezbollah, mas os militares israelitas disseram que ele era o comandante superior da unidade da Frente Sul do Hezbollah.

O exército israelense divulgou o vídeo do ataque, que atingiu o carro de Makki na estrada que liga a cidade costeira de Tiro ao subúrbio de Haush.

Leia também:

Sob pressão aqui e ali para prender Netanyahu, o TPI está furioso com as ameaças dos EUA

O porta-voz do exército israelense, Avichai Adrae, afirmou que Makki foi responsável pelo planejamento e execução de várias operações contra Israel durante meses de confrontos fronteiriços.

Assim, o número total de combatentes do Hezbollah mortos desde a eclosão dos confrontos transfronteiriços em 8 de Outubro atingiu 297 pessoas. Combatentes de outros grupos armados, bem como civis do Líbano, incluindo crianças, foram mortos.

Um relatório do The New Arab, quarta-feira, 15 de maio de 2024, o Hezbollah e Israel estão envolvidos em guerra desde o início da guerra em Gaza.

O Hezbollah, que apoia o grupo palestiniano Hamas, afirma que o seu confronto aberto com Israel é uma táctica de diversão que visa desviar a atenção dos militares israelitas da Faixa de Gaza, local de uma brutal ofensiva israelita que matou pelo menos 35.173 pessoas.

Os confrontos registaram uma escalada perigosa em ambos os lados nas últimas semanas, com o Hezbollah também a trabalhar em armas mais sofisticadas, abatendo drones israelitas e disparando foguetes contra o norte de Israel.

Entretanto, Israel destruiu várias aldeias na fronteira com o Líbano e realizou ataques aéreos em áreas distantes da fronteira, como o distrito de Baalbek, no leste do Líbano, onde o Hezbollah tem uma forte influência.

O ataque ao carro de Makki ocorreu horas depois de um míssil antitanque do Hezbollah ter matado um israelense e ferido outros cinco.

O Hezbollah disse que teve como alvo um centro militar israelense que operava um balão espião com três mísseis, causando a queda do balão na vila de Ramaich, na fronteira sul do Líbano.

Fotos e vídeos compartilhados nas redes sociais mostram o momento em que o balão caiu e os civis foram pegos de surpresa.

O exército israelense afirma que não há medo das informações recebidas dos sensores e câmeras do balão.

Israel afirma que 10 civis e 14 soldados foram mortos nos combates transfronteiriços, mas o Hezbollah afirma que o número real é maior.

Dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas em ambos os lados da fronteira. Os residentes deslocados do norte de Israel pressionaram o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o seu governo para tomarem medidas decisivas contra o Hezbollah.

Militar VIVA: milícia libanesa do Hezbollah

Militar VIVA: milícia libanesa do Hezbollah

Também se recusaram a regressar às suas cidades se grupos libaneses ainda estivessem presentes na fronteira.

Também foram feitos esforços de mediação pelos EUA e pela França para pôr fim ao conflito entre o Hezbollah e Israel, bem como para envolvê-los na implementação da resolução do Conselho de Segurança da ONU que pôs fim à guerra entre os dois lados no Verão de 2006.

O acordo também completa a demarcação da fronteira entre os dois países com Israel, que ainda ocupa partes do Líbano.

O Hezbollah rejeitou um acordo de cessar-fogo antes de terminar a sua guerra devastadora em Gaza, e Israel ameaçou um grande ataque ao Líbano se os esforços diplomáticos falharem.

Próxima página

Um relatório do The New Arab, quarta-feira, 15 de maio de 2024, o Hezbollah e Israel estão envolvidos em guerra desde o início da guerra em Gaza.

Próxima página



Fonte