A Microsoft pediu a alguns de seus funcionários na China que se preparassem para se mudar, à medida que as relações vacilam devido à corrida pela inteligência artificial (IA).

Há cooperação entre China e América informa Depois que Washington introduziu salvaguardas em modelos proprietários de IA desenvolvidos nos EUA, capacitando chatbots como o ChatGPT para competir com tecnologia de países como China e Rússia.

Os EUA desconfiam que a China priorize o desenvolvimento da IA ​​​​como um “grande” centro, dedicando recursos significativos a fins civis e militares, o que a administração Biden acredita que “mina a segurança nacional dos EUA e dos seus aliados”.

Neste contexto, a Microsoft pediu a cerca de 700 a 800 dos seus funcionários envolvidos em aprendizagem automática e tarefas relacionadas com a computação em nuvem que considerassem a localização, e o Wall Street Journal relatou pela primeira vez o desenvolvimento.

“Fornecer capacidades internas é uma parte normal da gestão dos nossos negócios globais”, disse a empresa multinacional de tecnologia dos EUA num comunicado.

“Como parte deste processo, compartilhamos uma opção de transferência interna voluntária com um grupo de funcionários”, sem citar o número de funcionários afetados.

Informações detalhadas sobre as recentes relações EUA-China

O WSJ afirmou que os afetados são principalmente engenheiros e cidadãos chineses, e que estão em cima da mesa ofertas de novas localizações nos EUA, Austrália, Irlanda e Nova Zelândia.

Diz-se que a Microsoft está comprometida com a sua presença na China e continuará a operar, mas os factores geopolíticos continuarão a ter uma forte influência externa.

As linhas de comunicação entre os governos dos EUA e da China permanecem abertas, com ambos os regimes a enviar delegados para uma cimeira de alto nível na Suíça esta semana para discutir a IA e reduzir o potencial de “conflitos inesperados”.

Isto ocorre no momento em que o ministro das Relações Exteriores da China, Anthony Blinken, se reuniu com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, em Pequim, no mês passado, para discutir a agenda, e a administração do presidente Joe Biden disse que estava pronta para manter um diálogo após trocar opiniões com o presidente Xi para seguir o início. equipe em São Francisco em novembro passado.

Crédito da imagem: Ideograma

Fonte