Os confrontos eclodiram no parlamento da Geórgia na terça-feira, enquanto os legisladores deveriam aprovar um projeto de lei separatista de “influência estrangeira” que foi criticado pelos manifestantes por refletir a legislação russa usada para silenciar a dissidência.

O conflito entre os deputados da oposição e o partido no poder ocorreu quando centenas de manifestantes, na sua maioria jovens, se reuniram em frente ao parlamento para mais um dia de protestos contra o projecto de lei.

LEIA TAMBÉM: Rapper iraniano proíbe ligações após sentença de morte: apoiadores

Na terça-feira, a União Europeia alertou a Geórgia que a aprovação desta lei prejudicará os seus esforços para aderir à União.

Tbilisi assistiu a três noites consecutivas de manifestações públicas sobre o projeto de lei, que reflete leis repressivas introduzidas na Rússia e condenadas pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

Dezenas de milhares de pessoas protestaram no país, uma ex-república soviética, depois que o partido Georgian Dream reintroduziu o projeto de lei há um mês.

Substitui a versão anterior, que o governo cancelou no ano passado em meio a protestos públicos.

O primeiro-ministro Irakliy Kobakhidze disse esta semana que seu governo aprovará a terceira e última leitura do projeto de lei na terça-feira, apesar do aumento das tensões.

Durante o acalorado debate, os representantes dos partidos no poder e da oposição lutaram e bateram-se uns nos outros.

Enquanto isso, uma multidão de cerca de 2.000 manifestantes, a maioria estudantes que se recusaram a assistir às aulas, reuniu-se do lado de fora e anunciou um novo comício noturno.

“Espero que haja paz aqui”, disse Marta Doborianidze, de 20 anos, à AFP.

– Medo da integração na UE –

O projecto de lei exige que as ONG e os meios de comunicação social que recebem mais de 20 por cento do seu financiamento do estrangeiro se registem como entidades que “perseguem os interesses de uma potência estrangeira”.

A Rússia também utilizou a mesma lei para silenciar figuras públicas e organizações que não concordam com as opiniões do Kremlin ou estão longe delas.

Os manifestantes dizem que a medida afastará a Geórgia dos seus planos de um dia aderir à União Europeia e, em vez disso, aproximará Tbilisi do seu antigo mestre, a Rússia.

LEIA TAMBÉM: Índia prende quatro pessoas sob a acusação de se alistar no exército russo

Na terça-feira, a União Europeia disse que este plano destruiria as ambições de Tbilisi de se juntar aos 27 estados membros da União Europeia.

“Os Estados-membros da União Europeia têm plena certeza de que, se esta lei for adoptada, será um sério obstáculo para a Geórgia nas suas perspectivas europeias”, disse o seu porta-voz, Peter Stano.

Os jovens georgianos ficaram indignados com a possível ameaça de um futuro mais próximo da Europa.

“Quando aconteceu a guerra com a Rússia, tínhamos cinco anos. Temos más recordações disto desde a infância”, disse Doborianidze, referindo-se ao ataque de Moscovo à Geórgia em 2008.

– “Se preocupe, mas não tenha medo” –

O sonho da Geórgia afirmou que não se renderá aos manifestantes, descrevendo-os como uma multidão violenta, e insistiu que está empenhado em aderir à União Europeia.

Mas o seu bilionário apoiante, Bidzina Ivanishvili, uma figura misteriosa que fez fortuna na Rússia na década de 1990, lançou um discurso antiocidental no mês passado, acusando as ONG de planearem uma revolução.

O primeiro-ministro Kobakhidze disse que Ivanishvili não se reunirá com o secretário de Estado adjunto dos EUA, Jim O’Brien, que deverá chegar a Tbilisi ainda na terça-feira.

Washington pediu à Geórgia que revogasse uma lei que considera “inconsistente” com a integração na UE.

“Estas pessoas ali não nos ouvem”, disse a professora Mariam Javakhishvili, que estava em frente ao parlamento com o seu filho.

O homem de 34 anos disse que os legisladores do partido no poder estão a ignorar o progresso alcançado desde o colapso da União Soviética, acrescentando: “Não quero que isso aconteça aos meus filhos”.

“Estou preocupado com a violência policial, mas não tenho medo dela”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM: Vice-ministro da Defesa da Rússia é preso sob acusação de suborno

O debate em torno do projeto ocorre cinco meses antes das eleições parlamentares, e alguns manifestantes dizem que o seu objetivo final é eliminar o Georgian Dream, que está no poder desde 2012.

“Estamos aguardando a eleição de um novo governo”, disse Peter, gerente de hotel de 27 anos, que se recusou a fornecer seu sobrenome por temer por sua segurança.

© Agência França Presse

Fonte