Um grupo de pais americanos está tentando processar diversas empresas de videogames, alegando que seus filhos foram prejudicados pelo vício em videogames.

Conforme relatado pela Bloomberg, uma mãe afirma que seu filho de 14 anos jogou tantos videogames nos últimos nove anos que isso lhe causou danos cerebrais, convulsões e derrames. Outra mãe diz que o seu filho de nove anos, que sofre de múltiplas doenças mentais, brincava “a um ritmo acelerado e descontrolado”.

Os alvos dos processos, dos quais mais de uma dúzia devem ser ouvidos em 30 de maio em Salt Lake City, Utah, incluem Microsoft, Nintendo of America, Epic Games, Roblox e Sony Interactive Entertainment.

Esta é a parte principal da reivindicação pesquisa que mostra O distúrbio de jogos na Internet (o termo médico para o vício em videogame) tem efeitos mensuráveis ​​no cérebro, semelhantes a outros vícios. Contudo, a proposta mostra que problemas mentais como o TDAH também são causados ​​pelo jogo – esta é uma questão controversa e pesquisas mostram que a correlação é mais na outra direção. Ou seja, pessoas com TDAH podem ter maior probabilidade de desenvolver Transtorno de Jogos na Internet, em vez de Transtorno de Jogos na Internet que causa TDAH. Em discussão sobre dependência de drogas os jogos são contínuos e muito debatidos.

O que as empresas de videogame estão dizendo?

Microsoft, Nintendo, Sony e Epic fazem parte da Entertainment Software Association, que emitiu a seguinte declaração: “Priorizamos a criação de uma experiência positiva para toda a comunidade de jogos e fornecemos ferramentas fáceis de usar para jogadores, pais e responsáveis ​​gerenciarem o jogo. muitos aspectos dos jogos. As alegações são infundadas e ignoram o fato de que bilhões de pessoas em todo o mundo, de todas as idades e nacionalidades, jogam videogames de maneira saudável e equilibrada.”

As empresas de jogos esperam defender-se contra as reivindicações com base na Primeira Emenda. A Microsoft e a Roblox argumentaram que chamar seus jogos de “muito interessantes” contradiz o fato de que o conteúdo do jogo, como todo conteúdo, é protegido como liberdade de expressão.

As duas empresas, que usaram a defesa para rejeitar outra ação movida contra elas no Arkansas, dizem que as ações não entendem o objetivo. De acordo com a Microsoft e Roblox, eles fornecem “o equivalente digital de processar uma videoteca por distribuir filmes supostamente ‘interessantes’, ou um estúdio de gravação por fornecer um fórum e equipamento para a criação de música ‘interessante demais'”.

Se forem consideradas válidas, as alegações poderão significar problemas para a indústria de jogos, que já teve um ano difícil de demissões e fechamentos.

Crédito da imagem em destaque: gerado por Ideograma

Fonte