Um estudante adolescente, Benjamin Basil, foi preso por agentes de segurança num banco em Jos, capital do estado de Plateau, com o que pareciam ser dispositivos explosivos. Basil, que tentou roubar um banco de N100 milhões na terça-feira, disse que os sequestradores o forçaram a fazê-lo.

Falando ao PUNCH Metro na terça-feira na sede do comando da polícia em Jos, Basi, que se identificou como estudante da Plateau State Polytechnic, disse: “Meu nome é Benjamim Basílio. Sou aluno ND 1 da Plateau State Polytechnic estudando Engenharia Civil. Tenho 17 anos e moro em frente à Faculdade de Polícia em Jos.

“Ontem (13 de maio) eu estava indo para a escola por volta das 9 horas e fui sequestrado na estrada em frente ao Colégio de Oficiais de Polícia. Eles (os ladrões) me instruíram a levantar a camisa. Quando perguntei por que tinha que levantar a camisa, um deles disse que se eu não cooperasse com eles, atirariam em mim.

“Levantei as mãos e depois de um tempo me disseram que o que estava amarrado na minha cintura era uma bomba suicida. Eles me revistaram, pegaram meu telefone e dinheiro e depois de um tempo me deram. Disseram-me então que me iam levar ao banco, entregaram-me duas malas e instruíram-me a trazer N100m.

“Disseram que me esperariam no portão do banco e se eu não fizesse isso, atirariam em mim. Neste ponto eu anotei e eles aproveitaram a situação e eu tive que dizer ao caixa do banco que estava cercado por uma bomba suicida e 12 deles estavam esperando do lado de fora com AK 47 para confrontar alguém até o caixa pedir ajuda. fez”.

Basil disse que os sequestradores chamaram um motociclista e pagaram-lhe para levá-lo à filial da UBA em Dadinkova.

De acordo com ele, “Quando encontrei o caixa dentro do banco, ele concordou que não pediria ajuda. Mas de repente percebi que todos no banco começaram a correr e fiquei assustado porque pensei que os sequestradores tinham entrado no banco por fora. Então corri para fora e fui arrastado pelos seguranças do banco.”

O Comissário da Polícia do estado, Emmanuel Olugbenga, que denunciou Basil juntamente com os outros suspeitos, disse aos jornalistas que os itens enrolados à sua volta foram considerados não explosivos.

Segundo ele, a investigação dos diversos casos está em andamento e, após sua conclusão, serão encaminhados à Justiça.

“Atualmente, o caso está sendo investigado pelo CID estadual para determinar a veracidade de suas alegações e prender os possíveis suspeitos”, disse o comissário.

Ele elogiou os cidadãos bons e amantes da paz do Estado de Plateau por cooperarem com a polícia e por lhes fornecerem informações precisas, oportunas e úteis, que, segundo ele, os ajudaram no seu trabalho para proteger vidas e propriedades.

Fonte