A FIFA quer que os árbitros cruzem os incidentes de racismo durante as partidas com o “gesto manual padrão global” em forma de “X”.

A ideia, que será votada no 74º Congresso da FIFA em Banguecoque, na sexta-feira, faz parte dos grandes planos do presidente da FIFA, Gianni Infantino, para erradicar o racismo do futebol.

Outras medidas do plano de cinco pilares incluem pedir a todas as 211 federações-membro que tornem o abuso racista uma ofensa específica nas suas regras, pedir a todos os governos que criminalizem o racismo e criar um novo painel de jogadores anti-racismo para monitorizar e aconselhar sobre a implementação do plano.

Infantino fez da luta uma das suas principais prioridades para 2024, dizendo às federações europeias de futebol que viessem a Banguecoque com ideias para combater o racismo no seu congresso em Paris, em Fevereiro.

Numa carta às federações-membro antes do congresso, o novo secretário-geral da FIFA, Matthias Grafström, disse: “Chegou a hora de o futebol se unir e se comprometer como comunidade global no combate ao racismo no futebol.”

Grafstrom explicou então que a FIFA vem consultando há vários meses jogadores atuais e antigos que são “muitas vezes as principais vítimas deste ato hediondo” e que as suas opiniões levaram à nova proposta.

A maioria das ideias já está em uso. Por exemplo, a FIFA introduziu uma abordagem em três etapas sobre como os árbitros devem lidar com cantos racistas, com os árbitros dizendo que devem suspender, suspender e abandonar os jogos se os gritos continuarem.

Mas o apelo para tornar o racismo uma ofensa disciplinar especial em todo o mundo do futebol e o sinal X é novo.

Embora ninguém duvide da sinceridade de Infantino sobre o assunto, alguns participantes dirão que ele dissolveu a Força-Tarefa Antirracismo da FIFA em 2016 porque esta “cumpriu completamente o seu mandato temporário”. A decisão e seu momento foram criticados por acontecer antes da Copa do Mundo de 2018 na Rússia, em meio a preocupações de que o torneio possa ser prejudicado por atos racistas nas arquibancadas.

Na época, a teoria era que Infantino estava cedendo à pressão da Rússia antes da Copa do Mundo de 2018, pois temia que o torneio pudesse ser prejudicado por atos racistas nas arquibancadas.

E outros salientarão que, nos últimos seis anos, muito poucos árbitros utilizaram uma abordagem de três etapas para lidar com o comportamento racista durante jogos em vários países.

VÁ MAIS FUNDO

Vinicius Junior e o racismo no futebol espanhol – mudou alguma coisa?

(Buda Mendes/Getty Images)

Fonte