No fórum de torcedores no Amex Stadium em abril, havia apenas uma questão que importava para um torcedor do Brighton & Hove Albion.

Ele disse ao técnico Roberto De Zerbi: “Podemos vencer o Chelsea?” O pedido foi recebido com risos e aplausos da multidão, dois dias depois de uma derrota por 3 a 0 em Bournemouth ter acabado com as esperanças de De Zerbi de se classificar para a Europa.

O torcedor acrescentou: “Como fizemos aqui contra o Crystal Palace (4-1 em casa em fevereiro). Podemos fazer isso pelo Chelsea, trazer mais policiais, mandar Todd Bailey, porque quando tivemos a Carabao Cup (empate em Stamford Bridge) eles aumentaram os ingressos (preços) para nós.”

Foi um reflexo de como o Chelsea – além da rivalidade duradoura com o Palace – se tornou o time que os torcedores do Brighton mais desejam derrotar. Os torcedores não conseguiram o resultado que queriam, mas houve um fluxo hostil na vitória do Chelsea por 2 a 1 no Amex, na noite de quarta-feira.

A dupla do ex-Brighton, Moises Caicedo e Marc Cucurella, que eram populares entre os torcedores durante sua passagem pelo clube, era vaiada sempre que tocava na bola. O barulho mais alto da noite veio quando Caicedo recebeu cartão amarelo por falta sobre Julio Enciso, aos 79 minutos.

Cucurella, o último jogador a deixar o campo com o companheiro de equipe do Chelsea, Thiago Silva, foi alvo de abusos horríveis por parte da torcida local durante a partida e após o apito final.

Nem sempre foi assim. Na verdade, nunca foi até as duas últimas temporadas. Até 2017-18, primeira temporada do Brighton na Premier League, os times não se enfrentavam há quase 30 anos.

O Brighton estava lutando nas divisões inferiores durante aquele período, sem teto e lutando por um novo estádio. Chelsea? Eles ganharam prêmios. A Liga dos Campeões em 2012 (ganhou novamente em 2021), a Premier League cinco vezes, a FA Cup seis vezes (ganhou novamente em 2018). Taça dos Vencedores das Taças (1998), Liga Europa em 2013 (e novamente em 2019), Taça da Liga quatro vezes.

Os clubes estiveram separados, mas o Brighton chegou ao ponto em que os adeptos consideram o Chelsea como o seu arquirrival, já que jogadores, treinadores e equipas jovens foram implacavelmente expulsos do Amex para Stamford Bridge – 11 em 21 meses no total. .

O empresário americano Bailey e seu consórcio, que encerrará o reinado de 19 anos de Roman Abramovich no Chelsea em maio de 2022, aparentemente olharam para o modelo de Brighton, gostaram do que viram e pensaram: “Temos alguns, teremos estes” – de novo e de novo.

Tudo começou com o lateral-esquerdo espanhol Cucurella em agosto de 2022. O técnico Graham Potter viajou para o oeste de Londres no mês que vem com cinco de sua equipe reserva. Em novembro daquele ano, o chefe de recrutamento Paul Winstanley mudou-se para o Chelsea como diretor esportivo adjunto.

O meio-campista Caicedo e o goleiro Robert Sanchez foram vendidos para o Chelsea na janela de transferências do verão passado, Caicedo, por uma taxa de transferência recorde britânica de £ 115 milhões. Sam Jewell, sucessor de Winstanley como chefe de recrutamento, assumiu recentemente o cargo de diretor de recrutamento global do Chelsea após um período de licença de jardinagem após sua demissão de Brighton em fevereiro.


(Darren Walsh/Chelsea FC via Getty Images)

Os negócios foram bons para o saldo bancário de Brighton – totalizando mais de £ 225 milhões – mas não tão bons para a estabilidade (embora um planejamento de sucessão eficaz tivesse levado o clube para cima). Agora os torcedores desprezam o Chelsea e se alegram com seus fracassos.

A atmosfera estava intensa para o rápido retorno de Potter ao Amex em outubro de 2022. Os adeptos da casa tiveram a satisfação adicional da derrota por 4-1 para o Chelsea, que deu a De Zerbi a sua primeira vitória como sucessor de Potter em seis jogos italianos.

De Zerbi ainda se lembra bem disso, dizendo à sua equipa que “temos que começar a ganhar ou vão despedir-nos e voltaremos para Itália” e como o ambiente significava “nos primeiros dez minutos de jogo os nossos jogadores foram intensos .

O encontro de quarta-feira à noite foi a primeira visita do Chelsea desde então. As equipes se enfrentaram três vezes em 19 meses em Stamford Bridge, vencendo os dois lados na derrota do Brighton por 1 a 0 na Carabao Cup, em setembro.

O Chelsea perdeu por 1 a 0 para o Liverpool em Wembley na final. O presidente do Brighton, Tony Bloom, e o presidente-executivo, Paul Barber, usaram gravatas vermelhas para a ocasião, embora Barber diga que as relações entre as respectivas hierarquias permanecem cordiais.

O último encontro foi mais significativo para o “Chelsea”. Eles terminaram em sétimo lugar na tabela e estavam competindo com Newcastle e Manchester United por uma vaga na Liga Europa ou na Liga Europa, depois de perder apenas um em 13 jogos do campeonato sob o comando do sucessor de Potter, Mauricio Pochettino. A motivação de Brighton era modesta em comparação, três pontos praticamente garantiram o terceiro lugar consecutivo entre os dez primeiros.

De Zerbi não considera os clubes rivais em campo. “Não estamos ao mesmo nível do Chelsea”, disse ele. “Se perdermos 11 jogadores e um treinador para o Chelsea, não podemos ser rivais porque eles estão a lutar por mais um golo. Se trazem os nossos jogadores é porque o Tony (Bloom, presidente-proprietário) está muito bem e nós estamos muito bem em campo. Moises Caicedo, (Levy) Colville emprestado, os dois últimos jogadores que estiveram no Brighton e depois no Chelsea são os dois melhores jogadores.

Os fãs de Brighton são menos caridosos. “Marc Cucurella, você sabe o que você é”, gritaram depois que o desarme de Facundo Buonanote sobre Cucurella dentro da área terminou com o árbitro Michael Salisbury anulando sua primeira decisão de conceder ao Chelsea um pênalti antecipado, após o qual ele foi aconselhado a investigar. Incidente monitorado pelo VAR Peter Bankes.

Kaisedo, com cabelos brancos combinando com suas botas brancas, era um alvo fácil. O mesmo aconteceu com Cukurella com seus longos cabelos e sapatos laranja fluorescentes. Com medo, ele parecia gostar de bancar o vilão, fazendo um cruzamento para Cole Palmer dar ao Chelsea uma vantagem hábil no primeiro tempo.

O Brighton terminou em sexto lugar na temporada passada e se classificou para a Liga Europa, seis posições e 18 pontos à frente do Chelsea. Desta vez a bola está do outro lado. Foram os torcedores visitantes gritando “Vamos todos viajar para a Europa”, depois que Christopher Nkunku aumentou a vantagem no segundo tempo.

A resposta de Danny Welbeck aos 98 minutos, que reduziu o Chelsea a dez jogadores, chegou tarde demais para afetar o resultado, depois que Rhys James derrubou João Pedro com raiva, após o brasileiro ter cometido falta sobre ele.

Brighton, que foi devastado por lesões ao longo da temporada, precisa derrotar o ex-clube de Welbeck, o Manchester United, no Amex, no domingo, para garantir o décimo lugar, após uma queda nos resultados e uma luta por gols no ano.

Quanto aos torcedores, eles vão gostar de renovar a rivalidade com o Chelsea em 2024-25.

(Darren Walsh/Chelsea FC via Getty Images)

Fonte