A promotoria criticou o presidente Cyril Ramaphosa e o primeiro-ministro de Gauteng, Panyaza Lesufi, por supostamente abusarem das plataformas de mídia social do governo para fazer campanha para o ANC antes das eleições deste mês.

Mãos do governo no Facebook

Num comunicado, a promotoria disse ter notado várias publicações na página do Facebook do governo provincial de Gauteng mostrando Ramaphosa participando na votação de Tshwane com a legenda “Em campanha”.

A promotoria disse num outro post que Lesufi parecia estar vestindo uma camiseta do ANC com a mesma manchete.

LEIA TAMBÉM: Lesufi pede desculpas, quer encontrar-se com o ministro ‘para limpar o ar e fazer as pazes’

Argumentou que a publicidade do ANC nas plataformas governamentais de redes sociais poderia confundir os cidadãos e confundir os limites entre o partido e o Estado.

“Além disso, os funcionários provinciais que dirigem estas plataformas de comunicação social são quadros do ANC; portanto, a AD tem lutado para recrutar”, disse o partido.

Levando ANC para IEC

O promotor disse que considera o uso indevido de plataformas de mídia social e outros canais antiético e uma violação do Código de Conduta Eleitoral.

“O Código proíbe expressamente o uso de poder, privilégio ou influência para influenciar o resultado de uma eleição. Tais ações também contradizem os princípios de justiça e transparência, que são de crucial importância para uma sociedade livre e democrática”, enfatizou o partido.

LEIA TAMBÉM: Lesoufi defende Naci da Espanha em meio a críticas crescentes

A promotoria disse que o ANC estava nervoso com a eleição e disposto a fazer qualquer coisa para obter alguns votos.

Embora as ações da Assembleia das Nações sejam surpreendentes, não são surpreendentes. Eles parecem estar cientes dos ventos de mudança que se aproximam e das potenciais consequências do 29 de Maio. Eles podem fazer qualquer coisa, mesmo ilegal, para reconquistar os corações e as eleições das pessoas que traíram nos últimos cinco anos”, afirmou o partido.

Exigiu que o ANC acabasse com o uso “indevido” dos canais governamentais para promover a sua agenda política e manifestou a sua intenção de levar o assunto à Comissão Eleitoral Independente da África do Sul (IEC).

“Dao leva este assunto a sério e apresentará uma queixa à IEC, que está empenhada em garantir eleições livres e justas”, disse o partido.

“Advertimos ainda todos os residentes de Gauteng para estarem cientes destes atos hediondos que os farão votar no mesmo partido que os tratou com desprezo durante tanto tempo. A nossa missão de salvá-los permanece inabalável e aceitaremos com orgulho a responsabilidade de liderar esta província para um futuro brilhante após as eleições.”

Fonte