A votação sobre a proibição ou não do VAR na Premier League acontecerá no dia 6.

15 de maio
2024
– às 15:21

(atualizado às 15h21)




Árbitro no monitor.

Foto: Alex Grimm/Getty Images/Esporte News Mundo

Os clubes da Premier League votam em sua reunião anual no final de cada temporada, que decidirá se a liga abandonará o uso de árbitros assistentes de vídeo (VAR) na temporada seguinte. A informação foi relatada pelo jornalista inglês David Ornstein, do site “Athletic”.

O VAR é usado no torneio desde 2019 para ajudar os árbitros ingleses a melhorar suas decisões, mas a tecnologia gerou polêmica com decisões erradas. Nesta temporada, muitos erros geraram críticas, levando alguns times e torcedores a questionar a integridade da competição.

A votação foi proposta oficialmente pelo Wolverhampton Wanderers, que pediu a retirada do VAR da competição para a próxima temporada, levando a uma votação em 6 de junho, quando representantes dos 20 clubes da competição se reunirão.

Em comunicado, o Wolves disse que a mudança ocorreu depois que o time teve “consideração cuidadosa” e que era hora da liga ter uma “discussão construtiva e crítica sobre seu futuro” com o uso do VAR. Esta decisão também foi confirmada pelo porta-voz da Premier League.

Para resolver o problema, os Wolves listaram uma série de precauções que acreditam que o VAR oferece, veja abaixo:

  • Exposição a comemorações de gols e à paixão espontânea que torna o futebol especial
  • Frustração e confusão dentro dos estádios devido às verificações do VAR e má comunicação
  • Um ambiente mais hostil com protestos, hinos da Premier League e gritos contra o VAR
  • Longe do propósito original do VAR de corrigir erros claros e óbvios, ele agora analisa excessivamente as decisões subjetivas e perturba a fluidez e a integridade do jogo.
  • A responsabilidade reduzida dos árbitros em campo devido à rede de segurança do VAR, o que leva a uma degradação da competência em campo
  • Os erros persistem apesar do VAR, com os torcedores incapazes de aceitar o erro humano após vários replays e replays, o que mina a confiança nos padrões de arbitragem
  • Quebrando o ritmo acelerado da Premier League com longas verificações de VAR e prorrogação, fazendo com que os jogos se arrastassem
  • O debate em curso sobre as decisões do VAR muitas vezes ofusca o jogo em si e mancha a reputação da liga.
  • A confiança e a reputação são impulsionadas pelo VAR fazendo alegações de corrupção completamente absurdas

A IFAB (Associação Internacional de Futebol), órgão independente responsável pelas regras da modalidade, afirma que o VAR só pode ser utilizado para auxiliar o árbitro em caso de “erro claro” ou quando este tiver cometido um “erro grave”.

O VAR cometeu uma série de erros que geraram muitas reclamações nesta temporada. Na primeira jornada, na vitória do “Tottenham” sobre o “Liverpool” com um resultado de 2:1, os reds ignoraram injustamente o golo de Luis Diaz. Anteriormente, o técnico do Arsenal, Mikel Arteta, reclamou da decisão de conceder a vitória do Newcastle sobre os Gunners em uma jogada questionável.

Suécia proibiu o uso do VAR

A Inglaterra não será o primeiro país da Europa a proibir o VAR. Em Abril passado, a Suécia tornou-se o primeiro país do mundo a proibir o uso do VAR, após a reacção dos adeptos do país. Torcedores de clubes que possuem pelo menos 51 por cento das ações – depois que o presidente da federação sueca, Fredrik Reinfeldt, já havia apoiado a ideia – argumentaram contra a tecnologia.

Votação na liga principal

Todos os clubes da Premier League têm o direito constitucional de propor alterações às regras, sendo que qualquer proposta exige que dois terços (14-6) dos clubes membros da competição a aprovem.

Fonte