Quinta-feira, 16 de maio de 2024 – 02h30 WIB

VIVA – No meio de uma onda de solidariedade estudantil global para com a Palestina, vários estudantes no Japão exigem que as universidades ponham fim a todas as formas de cooperação com Israel, incluindo a investigação militar.

Leia também:

Após a paralisação, os EUA enviarão mais ajuda militar a Israel no valor de IDR 16 trilhões

Relatório de Antara, quinta-feira, 16 de maio de 2024, estudantes pró-palestinos acampados na Universidade de Kyoto apresentaram um memorando à universidade, apelando ao Chanceler da Universidade de Kyoto, Nagahiro Minato, para condenar publicamente a violência contra civis palestinos.

Num memorando de quatro pontos enviado à Anadolu, a Associação da Universidade de Quioto em Solidariedade com o Povo Palestiniano apelou às universidades para cancelarem um memorando de entendimento com a Universidade de Tel Aviv de Israel, “onde é conduzida investigação militar”.

Leia também:

Pais de alunos do IPB: posso pedir redução de propina

“Apelamos à Universidade de Quioto para se desassociar de qualquer forma de cooperação, parceria ou apoio directo ou indirecto aos militares israelitas nas suas acções contra civis palestinianos”, afirma o memorando.

O memorando diz que essas medidas incluem “reter financiamento para investigação, transferências de tecnologia ou outras formas de ajuda que possam ser usadas para perpetuar a violência ou abusos dos direitos humanos”.

Leia também:

A ascensão do UKT é vista como uma ameaça à geração de ouro da Indonésia, Jokowi está sendo solicitado a intervir

A associação também exigiu que as universidades “ajudem e apoiem os estudantes palestinos”, ao mesmo tempo que incentivam o diálogo e a compreensão.

Militares VIVA: Forças de Defesa de Israel (IDF) nas ruínas de Gaza

“Apelamos à Universidade de Quioto para facilitar fóruns, seminários e discussões que encorajem o diálogo e a compreensão do conflito israelo-palestiniano”.

“Ao encorajar o diálogo aberto e perspectivas diversas, podemos contribuir para os esforços de construção da paz e promover a empatia e o respeito mútuo entre estudantes e professores.”

Masashi Kawano, candidato a doutorado e membro da associação, disse à Anadolu que as autoridades da Universidade de Kyoto “contrataram guardas para monitorar os movimentos estudantis e há repressões frequentes”.

“Mas ainda não é tão agressivo como os EUA ou a Europa”, disse Cavanaugh, referindo-se à repressão aos protestos estudantis pró-palestinos nos EUA e na Europa.

Cavanaugh disse que a associação está ativa desde 2019 e que a principal atividade do grupo tem sido estudar e exibir filmes sobre a Palestina.

“Organizamos protestos e manifestações desde 7/10 (7 de outubro) após a deterioração da situação”, disse ele.

Residentes de Gaza agradecem aos estudantes dos EUA (Doc: Middle East Eye)

Residentes de Gaza agradecem aos estudantes dos EUA (Doc: Middle East Eye)

Foto:

  • VIVA.co.id/Natania Longdong

Uma série de protestos pró-Palestina também foram realizados na Austrália e na Coreia do Sul.

Na sexta-feira passada, manifestantes pró-Palestina reuniram-se e manifestaram-se no centro de Seul, capital da Coreia do Sul. Eles gritaram “Palestina livre, livre”.

Os manifestantes seguravam slogans como “Pare o ataque terrestre a Rafah” e exigiam o fim da guerra em Gaza.

Protestos estudantis em apoio à Palestina, que tem enfrentado bombardeamentos implacáveis ​​israelitas desde 7 de Outubro de 2023, em campi universitários de todo o mundo, enquanto a polícia e agentes de inteligência invadiam campos de estudantes nos EUA. (Formiga)

Leia outros artigos interessantes neste link.

Próxima página

“Apelamos à Universidade de Quioto para facilitar fóruns, seminários e discussões que encorajem o diálogo e a compreensão do conflito israelo-palestiniano”.

Próxima página



Fonte