Em um desenvolvimento recente, a polícia chinesa em Chengdu descobriu uma enorme rede bancária clandestina envolvendo o popular stablecoin Tether (USDT). As operações ilegais que contribuíram para a troca de moeda estrangeira são estimadas em cerca de 1,9 mil milhões de dólares.

A notícia chega dias depois de relatos de que as autoridades chinesas encerraram outra operação muito semelhante que facilitou a troca ilegal de moeda entre o yuan chinês e o won sul-coreano, usando a criptomoeda como intermediária.

De acordo com o comunicado de imprensa Relatório da polícia de Chengdu, 193 suspeitos foram presos em 26 regiões sob a acusação de operações bancárias secretas. As autoridades também frustraram com sucesso duas operações relacionadas nas províncias de Fujian e Hunan. Além disso, a polícia congelou 149 milhões de yuans (cerca de US$ 20 milhões) vinculados às atividades bancárias ilegais do USDT.

Levantando a proibição da criptografia na China

Segundo relatos, a operação bancária clandestina começou em janeiro de 2021 e foi usada principalmente para transferir medicamentos, cosméticos e ativos de investimento para o exterior. Apesar da proibição abrangente de atividades relacionadas à criptografia, os comerciantes chineses continuam a encontrar maneiras de contornar a proibição e usar ativos criptográficos por meios alternativos.

A Relatório Kyros Ventures mostra que os comerciantes chineses estão entre os maiores detentores de stablecoins no mundo, com 33,3% dos investidores chineses detendo múltiplas stablecoins, perdendo apenas para 58,6% no Vietnã.

Nos últimos anos, o governo chinês implementou uma série de proibições ao uso de criptomoedas, trocas e operações de mineração de bitcoin. No entanto, a população local está constantemente a encontrar formas de contornar estas restrições.

Após a proibição da mineração de Bitcoin, a contribuição da China para a taxa de hash da rede Bitcoin diminuiu inicialmente, mas surpreendentemente Em um ano, ele ficou em segundo lugar, apesar da proibição. Da mesma forma, depois de o país ter proibido as bolsas centralizadas, os comerciantes chineses mudaram o seu foco para as bolsas descentralizadas e aumentaram dramaticamente a utilização de protocolos financeiros descentralizados. Alguns comerciantes recorreram mesmo ao uso de redes privadas virtuais para contrariar a proibição.

Apesar das autoridades chinesas serem hostis à criptografia, alguns desenvolvimentos locais ainda estão acontecendo neste campo. Os gestores de fundos de Hong Kong solicitaram a aprovação de ETFs Bitcoin e Ethereum à vista em meados de abril e os viram aprovados alguns dias depois. No início deste mês, ambos os produtos foram disponibilizados na bolsa de valores local.

Fonte