A Nigéria recebeu permissão das Nações Unidas para expandir a sua plataforma continental para 16.300 quilómetros quadrados, uma área cinco vezes maior que o estado de Lagos.

O Presidente Bola Tinubu recebeu na terça-feira o relatório do Alto Comité Presidencial (HPPC) sobre o projecto de expansão da plataforma continental na Nigéria, que mostra uma conquista significativa para as fronteiras marítimas e o potencial económico do país.

A aprovação da ONU, baseada na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS) de 1982, confere à Nigéria soberania sobre este território marítimo adicional e expande a sua jurisdição para além das 200 milhas náuticas existentes.

O projecto, iniciado em 2009, atingiu este marco após muitos anos de esforços científicos e diplomáticos.

Na proposta ao presidenteO professor Larry Awosika, cientista marinho e topógrafo Aliyu Umar, secretário da HPPC, detalhou a extensa pesquisa e negociações que levaram à decisão da ONU.

“Esta aprovação da Comissão das Nações Unidas sobre os Limites da Plataforma Continental (CLCS) permite à Nigéria estender a sua plataforma continental para além das 200 milhas náuticas. A área recentemente aprovada é de cerca de 16.300 quilómetros quadrados”, disse o investigador Umar. Ele sublinhou a importância estratégica deste desenvolvimento para a Nigéria, que tem um potencial económico significativo, incluindo hidrocarbonetos, gás, minerais sólidos e uma grande variedade de espécies sedentárias.

Umar descreveu duas opções disponíveis para a Nigéria após a aprovação: finalizar o registo junto do Secretário-Geral da ONU, o que levará cerca de um ano, ou obter informações adicionais para uma proposta revista, um processo que provavelmente será alargado para quatro anos.

“A primeira opção é pegar a área adquirida e fazer o cadastro junto ao secretário-geral da ONU e fechar tudo, ou seja, estamos satisfeitos com o que conquistamos. Vai demorar pelo menos um ano.

“A segunda opção é pegar o que temos agora, obter mais informações, escrever um apoio e submeter uma recomendação revisada do CLCS para análise mais aprofundada. Isso levaria mais quatro anos.

“Em qualquer caso (opções), a Nigéria manterá o que foi aprovado.”

Em termos mais simples, a Nigéria pode terminar a actual ratificação com a ONU, proteger o território recém-adquirido no prazo de um ano ou recolher mais informações para apoiar uma proposta revista, o que poderia alargar ainda mais o prazo e levar cerca de quatro anos. Independentemente do caminho escolhido, a Nigéria manterá a zona recentemente aprovada.

O Professor Awosika destacou a rigorosa investigação científica que sustenta a candidatura bem sucedida da Nigéria. “A confirmação veio depois de anos de estudos detalhados em geofísica, geologia e geografia, juntamente com esforços diplomáticos estratégicos”, disse ele. Ele também enfatizou a importância de manter a confidencialidade das informações sensíveis obtidas durante a pesquisa para proteger os interesses económicos da Nigéria.

O Presidente Tinubu agradeceu ao comité pelo seu trabalho árduo e dedicação.

“Esta é uma conquista importante para a Nigéria. Ganhamos territórios adicionais sem conflito, mostrando o nosso compromisso com a expansão pacífica e estratégica”, observou o Presidente. Ele também lembrou as discussões com o ex-presidente Muhammadu Buhari e seus homólogos internacionais, incluindo o presidente brasileiro Lula, enfatizando a importância da cooperação dentro das fronteiras econômicas e marítimas.

O Presidente elogiou a equipa pela sua experiência e compromisso na promoção dos interesses da Nigéria. “Felicito a equipa e devemos usar esta conquista para explorar oportunidades na geografia, hidrografia e vida marinha. A Nigéria está grata pelos seus esforços”, disse ele.

Embaixador Hasan Tukur, chefe da NPO; Chefe de Gabinete do Presidente, Honorável Femi Gbajabiamila; e o Ministro da Marinha e da Aquicultura Adegboyega Oyetola também estiveram presentes na reunião.


Siga-nos para notícias de última hora e inteligência de mercado.



Fonte