Na Globo, repórter da madrugada sofre de estafa e tira licença-médica

O repórter Rafael Ihara não aguentou a rotina da madrugada e precisou se afastar da Globo para se recuperar de uma estafa, que é cansaço extremo e esgotamento. Ele trabalhava de 23h às 5h, percorrendo as ruas de São Paulo em busca de notícias para os jornais “Hora 1” e “Bom Dia São Paulo”.

Rafael Ihara (Foto: Reprodução / TV Globo)

Segundo o site Notícias da TV, o profissional voltou de licença-médica nesta semana. A Globo, porém, alterou seu horário de trabalho para evitar novos contratempos. “A movimentação faz parte de ajustes normais nas escalas. Atualmente, a jornalista Tássia Sena faz o horário da madrugada. O Rafael Ihara está em escalas pela manhã e à tarde”, explicou o canal em nota.

Vale lembrar que diversos outros jornalistas também tiveram problemas com o horário da madrugada. Monalisa Perrone, que apresentava o “Hora 1” e deixou a Globo para trabalhar na CNN Brasil, sempre reclamava da rotina pesada. Inclusive, no contrato que ela assinou com a CNN há uma cláusula “antimadrugada”, que proibi o canal de chamá-la para trabalhar entre meia-noite e 8h.

Outro caso de desconforto com o trabalho de madrugada é o de Izabella Camargo. A jornalista acabou por desenvolver síndrome de burnout, distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso.

MAIS NOTÍCIAS