NFF, Ministério da Administração Interna empreende projeto de reintegração de meninas em centros correcionais

A iniciativa da Federação de Futebol da Nigéria para reabilitar, reabilitar e reintegrar mulheres jovens em centros correcionais em todo o país, pelo Ilustre Ministro dos Assuntos Internos, Exmo. (Dr.) Olubunmi Tunji-Ojo.

No final de uma apresentação ao ministro e à liderança do ministério em Abuja, na terça-feira, por um membro do Comité Executivo da NFF e Presidente do Subcomité de Futebol Feminino, Sra. Aisha Falode, o ministro elogiou e prometeu que a NFF para o grande conceito. mobilizar os equipamentos para garantir o cumprimento das tarefas atribuídas à iniciativa.

“Fiquei muito impressionado com esta apresentação, que mostra claramente que a NFF entende a sua responsabilidade para com a sociedade, além de preparar as nossas seleções para jogos e torneios. A razão pela qual o número de pessoas nos centros correcionais está sempre a aumentar é que quando são libertadas, não têm para onde ir, a não ser onde estão no centro. Vejo este projeto como um preenchimento desse vazio para eles, dando-lhes esperança e um meio de tornar essa esperança uma realidade.

“O centro correcional é diferente da “prisão”. Enquanto o primeiro é um local de correção, correção e regeneração, a prisão é um local de encarceramento. Aqueles que estão em instalações correcionais devem ter a oportunidade de reformar e reingressar na sociedade. A NFF me surpreendeu com isso. Os esportes são mais do que apenas um meio de entretenimento; é a maior ferramenta que pode preencher a lacuna entre os poderosos e os vulneráveis.”

Anteriormente, o presidente da NFF, Alhaji Ibrahim Musa Gusau, disse ao ministro que a Federação acredita que, além de organizar jogos de futebol, tem de servir a sociedade em geral e abordou a preocupante questão do aumento do número de raparigas em centros correcionais. como primeira iniciativa.

“Estamos prontos para usar a ferramenta do futebol e cooperar com os departamentos e ministérios relevantes para ativar os processos de reforma e reabilitação destas jovens, para que possam reingressar na sociedade e serem úteis para si mesmas e para a sociedade.

“A NFF está pronta e disposta a ir até ao fim neste projecto. Estamos a colaborar com departamentos e ministérios relevantes e a estabelecer contactos com organizações e fundações para formar estas raparigas para que possam ter um futuro.”

A saída de Falode, cabeça FutebolBom-Naija; Dê-lhe poder destacou o número crescente de mulheres em centros correcionais em todo o país, bem como aquelas que aguardam julgamento e aquelas já condenadas, e foi destacada a iniciativa “Gender Mainstreaming” da Confederação Africana de Futebol, que pilotou programas na Serra Leoa e no Gana. e Libéria.

Entre os objetivos estão apoiar melhores perspetivas de reintegração após a libertação; melhorar o bem-estar físico e mental; desenvolver e melhorar competências para a vida e auto-estima; educar a cultura esportiva, a disciplina e o trabalho em equipe; identificar e desenvolver o potencial da arbitragem e do treinador de futebol e; usar o futebol como uma ferramenta para a educação, desenvolvimento de habilidades e desenvolvimento de liderança juvenil.

Acompanhando o ministro estão o Controlador Geral do Serviço Correcional da Nigéria, Haliru Nababa; a Secretária Permanente do Ministério da Administração Interna, Dra. Aishetu Ndayako; diretor de impressão Ozoya Imokhimi; Diretor do Departamento de Serviços Compartilhados, Atinuke Ajiboe e Diretor de Serviços Jurídicos, Era Omofese.

A delegação da NFF incluiu também o Secretário Geral Adjunto, Dr. Emmanuel Ikpeme; Diretora de Comunicações, Ademola Olajire; Diretor de Serviços Jurídicos, Okey Obi; Diretor Técnico, Augustine Eguavoen; Diretora de Competições, Ruth David e; Diretor de Protocolo Emmanuel Ayanbunmi.

Anúncio

Fonte