Internacional quer voltar ao assunto Estádio Beira Rio em julho, apesar da competição. Foi o que o clube anunciou nesta terça-feira, 11, na inauguração da casa colorada, o andamento das limpezas e reparos após as enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul e inundaram gramados, vestiários e outras dependências.

O cheiro da terra do Guaíba ainda é forte no entorno do estádio. O pavimento permanece marrom devido à lama. A luz só pôde ser acesa há uma semana. Somente neste caso foi possível realizar testes para determinar os danos. O custo total da reforma ainda não é conhecido, mas está estimado entre 35 milhões de dólares e 40 milhões de rúpias.. “Todos os níveis 1 do estádio foram danificados. Temos seguros que cobrem a maior parte dos danos”, observa o vice-presidente de Administração, André Dalto.

A previsão inicial de retorno à ação no Beira Rio era em agosto. Agora, a nova estimativa indica o mês de julho, mas sem especificar qual semana do mês.



Gramado do Beira Rio deverá ficar pronto em dez dias. O “Inter” planeja realizar as partidas em julho.

Foto: Leonardo Catto/Estadão/Estadão

O abastecimento de eletricidade e água já voltou ao normal. A pior perda foi com equipamentos de informática. A sala de informática está localizada no primeiro andar. Até o final de junho, o Internacional espera restaurar esse trecho. Catracas de acesso foram testadas na terça-feira. A grama de inverno, que foi semeada novamente no final de maio, já brotou e deverá estar em boas condições dentro de 10 dias.

Aqui, 500 trabalhadores estão ocupados com a limpeza, que será concluída até o final desta semana. No mesmo período, o museu do clube é limpo, mas já se sabe que os troféus, por exemplo, que ficam no segundo andar, não estão danificados. O sistema de som e vídeo do estádio ainda está em avaliação.

A última partida do Internacional no Beira Rio foi um empate em 1 a 1 com o Atlético-GO, no Brasil, no dia 28 de abril. Dois dias depois, o confronto com o Juventude, pela Copa do Brasil, foi adiado pela CBF. A equipe de Casias do Sul (RS) não pôde viajar para Porto Alegre devido a um deslizamento de terra na rodovia causado por fortes chuvas.



Os destroços ainda estão sendo removidos após as enchentes que inundaram o estádio do RSB, no Beira Rio.

Os destroços ainda estão sendo removidos após as enchentes que inundaram o estádio do RSB, no Beira Rio.

Foto: Leonardo Catto/Estadão/Estadão

No início de maio, todas as partidas envolvendo equipes gaúchas em competições nacionais foram suspensas. Depois, a Conmebol também adiou os compromissos de Grêmio e Internacional pela Libertadores e Sul Americana. A suspensão do Campeonato Brasileiro foi discutida. Duas rodadas serão disputadas sem clubes gaúchos. Mais duas partidas foram adiadas para todas as equipes.

Tanto o Beira Rio quanto a Arena do Grêmio tiveram água em seus gramados. Depois que a enchente recuou, o cenário já mostrava que era impossível jogar futebol nos gramados. A reviravolta do Colorado na Arena Barueri foi na derrota para o Belgrano, exatamente um mês após o último jogo. O Grêmio voltou a campo contra o The Strongest, no Couto Pereira, “casa” do tricolor gaúcho.



Os calçados do Beira Rio permanecem marrons por causa da chuva e apresentam vestígios de lama.

Os calçados do Beira Rio permanecem marrons por causa da chuva e apresentam vestígios de lama.

Foto: Leonardo Catto/Estadão/Estadão

Visita Colorado e Grêmio são bem-vindos em Curitiba

Foram dois jogos que o Internacional disputou “em casa” após o retorno ao jogo. Além da partida contra o Belgrano, o time de Eduardo Cude tentou a classificação para os playoffs sul-americanos, derrotando o Delfin em Alfredo Giaconi, do Juventude. Nesta quinta-feira, 13, o time recebe o São Paulo, no Brasil, no Heriberto Hulse, em Crisiuma, às 20h. O clube também estuda enviar jogos para o Orlando Scarpelli, do Figueres, em Florianópolis.

Embora também sejam moradores de rua, o Gremo vive uma situação diferente. A equipe de Renato Gaúcho foi recebida no Couto Pereira. Os torcedores relatam um estádio semelhante ao antigo Estádio Olímpico, que sediou jogos do clube gaúcho em 1954 e 2012, antes de se mudarem para a Arena.

O CEO do Coritiba é Carlos Amodeo. Exerceu o mesmo cargo, mas no Grêmio, durante a gestão do atual presidente Alberto Guerra. Antes da partida contra o Estudiantes, realizada no Estádio do Paraná, Amodeo foi à concentração do Grêmio e reiterou que o estádio estará disponível pelo tempo que for necessário. Outra decisão solidária ao time foi tomada pelo Botafogo, que decidiu mandar o jogo contra o Grêmio pelo Brasil, no Estádio Kleber Andrade, em Cariasica (ES).

Os CTs do Grêmio e da Internazionale também foram danificados e submersos. Os jogadores colorados atuam em outra instalação, o CT de Alvorada, que costuma ser utilizado por equipes juvenis. Os prédios estão passando por reformas, que devem ser concluídas em três meses. A lama ainda está sendo limpa nas áreas educacionais.

Torcedores do Grêmio treinam nas instalações do Corinthians. O CT Luiz Carvalho foi parcialmente acionado, operando as áreas médica, fisiológica e de ginástica que permitem o tratamento de jogadores lesionados. Áreas e áreas administrativas ainda não foram planejadas. A próxima partida do tricolor gaúcho é quinta-feira, dia 13, contra o Flamengo, no Maracanã.

As enchentes ocorridas no Rio Grande do Sul em maio foram as piores da história do estado. Dos 497 municípios gaúchos, 478 foram afetados. Até hoje, segundo o último boletim da Defesa Civil atualizado nesta segunda-feira, 9.423 mil pessoas continuam desabrigadas e 38 pessoas estão desaparecidas. No total, 173 pessoas morreram em consequência da tragédia.

Fonte